Informativo da direita
Informativo da esquerda

24

de novembro

às 16h

No YouTube do Instituto AVONSaiba mais

O que é?

O Fórum Fale Sem Medo tem se consolidado, desde a sua primeira edição, em 2013, como um importante espaço de diálogo, articulação e apresentação de experiências inovadoras no campo do enfrentamento das violências contra mulheres e meninas.

Em 2019, atingiu reconhecimento público, passando a fazer parte do calendário oficial de eventos da cidade de São Paulo. Todos os anos, o Fórum Fale Sem Medo conecta o público a importantes nomes de especialistas, pesquisadores, ativistas, representantes da sociedade civil, empresas e setor público, além de formadores de opinião e personalidades brasileiras e internacionais ligados à causa dos direitos da mulher.

Navegue pelo nosso site e conheça a programação completa da 7ª edição do Fórum Fale Sem Medo, cujo tema é a “Transformação em Tempos de Transição: a violência real no mundo digital”.

FÓRUM FALE SEM MEDO 2021 – 7ª Edição

Transformação em Tempos de Transição: a violência real do mundo virtual.

Apesar de fisicamente isolados por conta da pandemia mundial da Covid-19, nunca estivemos tão digitalmente conectados. Há quem afirme que o distanciamento social não foi mais arrebatador porque pudemos manter certa conexão emocional – graças, em parte, à virtualização dos relacionamentos.

Durante a pandemia, nossas relações de trabalho, sociais e afetivas ganharam uma nova dimensão. Mas a intensificação da digitalização também trouxe um aumento das práticas violentas, que também foram adaptadas e viralizadas no ambiente virtual.

Stalkers, assédios, nudes vazadas, ameaças. Você já parou para pensar nos impactos reais causados pelas violências virtuais? A 7ª edição do Fórum Fale Sem Medo te convida, então, a navegar em meio a esses termos para compreender as relações de violência contra mulheres e meninas nos ambientes virtuais e estabelecer transformações em rede.

No evento online, gratuito e aberto ao público, serão apresentados pela primeira vez os dados da pesquisa "Além do Cyberbullying: a violência real do mundo virtual”, realizada pelo Instituto Avon em parceria com a Decode entre 2019 e 2020, e que rastreou mais de 80 milhões de perfis para contextualizar e refletir sobre a violência de gênero na e pela internet.

Além da apresentação inédita da pesquisa, o evento contará com convidados de diversos campos para debaterem, juntos, cenários e saídas para as violências digitais. A norte-americana Erica Olsen-Shaver, diretora do Projeto de Safety Net na NNEDV (National Network to End Domestic Violence), será o grande destaque da programação.

FÓRUM FALE SEM MEDO 2021

AÇÕES PARA TRANSFORMAR AS RELAÇÕES

1º Bloco - Reconhecer

Abertura

Pesquisa - Além do cyberbullying: a violência real do mundo virtual

Painel 1 - Os impactos reais das violências virtuais

Com Beatriz Accioly (Instituto Avon), Mariana Valente (InternetLab) e Barbara Paes (Minas Programam).

Música

2º Bloco - Identificar

Vídeo - Falamos sem medo

Painel 2 - Misoginia e tecnologia: intersecções nas redes

Com Regina Célia Barbosa (Instituto Avon), Lola Aronovich (professora, pedagoga, blogueira e ativista) e Joana Varon (Coding Rights).

Música

3º Bloco - Agir

Palestra - Erica Olsen-Shaver: diretora de Projeto de Safety Net na NNEDV (National Network to End Domestic Violence).

Encerramento

Pocket Show

Bárbara Paes

Bárbara Paes é cofundadora do Instituto Minas Programam, mestre em Gênero e Desenvolvimento pela Universidade de Sussex e pesquisa as intersecções entre tecnologia e justiça social.

Beatriz Accioly

Beatriz Accioly Lins é pesquisadora e especialista em violência contra mulheres, direitos humanos e acesso à justiça. Atua também em Direitos Humanos, diversidade e inclusão, bem como em advocacy para políticas públicas e corporativas. É antropóloga, mestra e doutora pela Universidade de São Paulo, além de membro do Núcleo de Estudos Sobre os Marcadores Sociais da Diferença (NUMAS/USP) e do Grupo de Estudos sobre Gênero, Mídias e Desigualdades (GEMID). Autora dos livros "Caiu na net: nudes e exposição de mulheres na internet" e "A lei nas entrelinhas: a Lei Maria da Penha e o trabalho policial", atualmente é coordenadora de Pesquisa e Impacto no Instituto Avon e líder do Pilar Nós de Equidade de Gênero do grupo Natura&CO.

Erica Olsen-Shaver

Erica Olsen-Shaver é diretora do projeto de Safety Net da National Network to End Domestic Violence. O projeto Safety Net concentra-se na interseção de tecnologia e violência contra parceiros íntimos, agressão sexual e stalking, educando os profissionais sobre como sobreviventes e provedores podem abordar questões de segurança e tecnologia. Ela também trabalhou no Homeless Action Committee, como conselheira de serviços às vítimas na Unity House of Troy e na New York State Coalition Against Domestic Violence.

Joana Varon

Diretora Executiva da Coding Rights, organização feminista que se dedica a promover a compreensão sobre o funcionamento das tecnologias, expondo e tentando reparar as assimetrias de poder presentes nos estágios de desenvolvimento, uso ou regulação, especialmente aquelas que reforçam desigualdades de gênero. Fellow de Direitos Humanos e Tecnologia do Carr Center for Human Rights Policy da Harvard Kennedy School. Afiliada ao Berkman Klein Center for Internet and Society da Harvard University. Ex-Mozilla Media Fellow, Joana é idealizadora de vários outros projetos criativos de arte, ativismo e tecnologia, como notmy.ai, transfeministech.org, chupadados.com, #safersisters, Safer Nudes, protestos.org, Net of Rights e Freenet Film.

Lola Aronovich

Lola Aronovich é professora no Departamento de Estudos da Língua Inglesa, suas Literaturas e Tradução (DELILT) da Universidade Federal do Ceará. Fez mestrado e doutorado em Literatura em Língua Inglesa na UFSC e pós-doutorado na Universidade Federal de Alagoas. Desde 2008, é autora do blog Escreva Lola Escreva, um dos maiores blogs feministas do Brasil. A lei 13.642, que atribui à Polícia Federal a investigação de crimes misóginos na internet, leva o nome de Lei Lola em sua homenagem. Foi indicada ao Prêmio Liberdade de Imprensa 2019, do Repórteres sem Fronteiras, na categoria Coragem.

Mariana Valente

Mariana Valente é diretora do InternetLab e professora no Insper. É advogada e doutora em direito pela Universidade de São Paulo e pesquisadora do Núcleo Direito e Democracia do Cebrap. Pesquisa e escreve sobre violência de gênero na internet e desigualdades relacionadas à tecnologia. É coautora do livro "O Corpo é o Código: estratégias jurídicas de enfrentamento ao revenge porn no Brasil”.

Regina Célia Barbosa

Graduada em Filosofia, mestra em Ciência Política pela Universidade Federal de Pernambuco e doutoranda em Direito, Justiça e Cidadania para o Séc. XXI pela Universidade de Coimbra/Portugal e em Educação pela Fundação Universitária Iberoamericana, além de professora universitária há 24 anos. Com ampla experiência nas áreas de Educação, Direitos Humanos, Políticas Públicas, Violência Contra a Mulher e Violência de Gênero, Regina é cofundadora e vice-presidente do Instituto Maria da Penha (IMP), criadora do Programa Defensoras e Defensores dos Direitos à Cidadania, membro representante da Sociedade Civil da Comissão Seccional da Mulher Advogada OAB-PE, integrante da delegação brasileira da Women20 e ganhadora do prêmio Mulheres que Fazem a Diferença 2021. No Instituto Avon, atua como gerente das Causas do Câncer de Mama e do Enfrentamento à Violência contra Mulheres e Meninas.

Acompanhe a transmissão oficial do evento no canal do YouTube do Instituto Avon

YouTube

Weber Shandwick

Comunicação - Instituto Avon

+55 (11) 3027-0200

institutoavon@webershandwick.com

Catarina Marrão

(11) 3027-0313 | (11) 99342-8644

Giulia Leocadio

(11) 3027-0311

Alice Zeitune

(11) 3027-0205 | (11) 94863-4002

Camila de Andrade

(11) 3027-0295 | (11) 98199-0409

Edições anteriores

2019 - 6ª Edição

A 6ª edição do Fórum Fale Sem Medo teve como tema as “Histórias para novos contratos: como conversar com alguém que pensa muito diferente de você?”. O evento abordou a importância do diálogo com quem pensa diferente e das narrativas que constroem pontes, fomentam empatia e criam novas histórias para as mulheres e meninas.

A pesquisa apresentada, como tradicionalmente acontece, foi “Como conversar com alguém que pensa muito diferente de você sobre gênero?”, realizada em parceria entre o Instituto Avon e a Plataforma Papo de Homem. O estudo contou com a participação de 1.300 pessoas de todo o Brasil, cujas respostas ajudaram a entender sentimentos, emoções, obstáculos e benefícios envolvidos no diálogo entre pessoas com visões e opiniões diferentes com relação a gênero, bem como identificar caminhos e oportunidades para a construção de pontes entre elas.

A CERIMôNIA

O Fórum Fale Sem Medo 2019 teve como mestre de cerimônia a jornalista Aline Midlej e abertura realizada pela escritora Ryane Leão. O presidente da Avon Brasil à época, José Vicente Marinho, e a diretora executiva do Instituto Avon, Daniela Grelin, estiveram presentes no debate, ao lado de Edson Natale, gerente de música do Itaú Cultural e Tatiana Schibuola, gerente geral de marcas editoriais do UOL.

A palestra magna foi apresentada pela ex-parlamentar dinamarquesa Özlem Cekic, que abordou o tema: “Café com diálogo: por que eu tomo café com quem me manda mensagem de ódio?”. Ela também participou da 1ª Mesa de Debate “Como conversar com alguém que pensa muito diferente de você?”, com mediação de Antônia Pellegrino, do #AgoraÉQueSãoElas, e participação da empresária e presidente do conselho de administração do Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano.

A 2ª mesa de debate, “Ações possíveis para novos contratos”, teve a participação de Alessandra Orofino, do #AgoraÉQueSãoElas, do procurador de justiça Ivan Agostinho, de Daniele Bibas, vice-presidente de Marketing da Avon Brasil e do teólogo e conselheiro do CIVI-CO, Ed René Kivits.

EXPOSIÇÃO: VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA

A 6ª edição do Fórum Fale Sem Medo também contou com a exposição da premiada campanha “Você não está sozinha”, vencedora do Leão de Bronze, em Cannes, em 2019. A exposição contava sete histórias de violência doméstica sob a perspectiva da única testemunha presente: um objeto daquela casa.

As histórias foram pautadas pelos cinco tipos de violências caracterizadas pela Lei Maria da Penha: física, sexual, psicológica, moral e patrimonial. Desenvolvidas pelas agências Wunderman Thompsom, Mutato e I-Cherry, as histórias visavam ampliar o debate sobre o enfrentamento às violências contra mulheres e meninas, além de mostrar a importância de apoiar as mulheres a fazerem a denúncia contra seus agressores.

O Fórum Fale Sem Medo 2019 foi encerrado com um show da rapper paranaense Karol Conká.

2018 / 2017 - 5ª Edição

"A voz das redes: o que elas podem fazer pelo enfrentamento das violências contra as mulheres"

Em sua 5ª edição, o evento abordou os diálogos na internet por meio do tema “A voz das redes: o que elas podem fazer pelo enfrentamento das violências contra as mulheres”. Os debatedores trouxeram à luz como o ambiente digital tem ajudado a enfrentar as violências contra as mulheres e possibilitado a criação de ambientes seguros de acolhimento e cuidado, mas, também, como esse mesmo ambiente tem sido responsável por perpetuar muitas das violências sofridas por elas.

A exemplo do que acontece em todas as edições do Fórum, também em 2018, o debate partiu dos dados de uma pesquisa exclusiva do Instituto Avon sobre o tema. Com o título “A voz das redes: o que elas podem fazer pelo enfrentamento das violências contra as mulheres”, a pesquisa do Instituto Avon, em parceria com a FolksNetnográfica, buscou identificar os desafios e possibilidades das discussões em ambiente digital, bem como apontar caminhos para aumentar o engajamento das pessoas na causa.

O evento teve como mestre de cerimônia Adriana Couto, presença de paola Oliveira, abertura com Eloisa Arruda, da Secretária de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, participação do canadense Adam Kahane, referência internacional na construção e implementação de soluções para desafios complexos e Nadine Gasman, que apresentou o posicionamento da ONU Mulheres para o dia 8 de março, dando destaque ao trabalho desenvolvido no enfrentamento das violências digitais.

A 1ª Mesa de Debate teve como tema: “A voz das redes: o que elas podem fazer pelo enfrentamentodas violências contra as mulheres”, como mediadora Mafoane Odara do Instituto Avon e presença de Alessandra Orofino do AgoraÉQueSãoElas, Nadine Gasman da ONU Mulheres, Renato Dolci da FolksNetnográfica e Fernanda Cerávolo do Google.

A 2ª Mesa de debate, teve como tema: “Como projetar diálogos construtivos”, como mediadora Daniela Grelin do Instituto Avon, Adam Kahane da Reos Partners, Gabriela Manssur do Ministério Público do Estado de São Paulo, Karina Fasson da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal e Nátaly Neri, do canal do YouTube Afros & Afins.

Tivemos o lançamento da campanha #JuntasporElas e da websérie “Quando existe voz”, com participação de Luiza Brunet e performance da Carol e Vitória Marcilio.

Representantes da campanha #HeforShe da ONU também estiveram presentes e interagiram com o público.

2016 - 4ª Edição

“O papel do homem na desconstrução do machismo”

Em 2016, o Fórum Fale Sem Medo aconteceu em dezembro, no Museu de Arte de São Paulo (Masp), e teve como tema “O papel do homem na desconstrução do machismo”.

Em uma programação rica, diversa e aberta ao público, o Fórum recebeu uma plateia de 700 pessoas e discutiu a importância da participação dos homens no enfrentamento à violência. Palestrantes e debatedores do Brasil, do Canadá e da África do Sul compartilharam suas experiências e iniciativas de sucesso.

Confiram as atividades oferecidas:

AUDITÓRIO PRINCIPAL

A abertura foi feita por Michael Kaufman, cofundador da Campanha Laço Branco no Canadá, movimento internacional pelo engajamento de homens contra a violência de gênero. Kaufman trouxe sua experiência como pesquisador para falar sobre o papel da paternidade na construção de homens não violentos.

A programação também contou com LeboRamafoko, CEO do Soul City Institute, ONG sul-africana focada em transformação social e prevenção à violência de gênero. Lebo trouxe os resultados da Soul City Series, série de TV produzida pelo Soul City Institute, cuja quarta temporada abordou violência doméstica e impactou as comunidades em que foi exibida, mobilizando-as para denúncia e envolvendo o poder público na tomada de ação.

MESAS DE DEBATE

Nas mesas de debate, diversos ângulos do tema foram discutidos.

“Eduque sem medo: alternativas para a formação de homens não violentos” contou com a presença de Djamila Ribeiro, pesquisadora na área de Filosofia Política, professora da Fundação Escola de Sociologia de São Paulo (FESPSP) e secretária-adjunta da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo; Jacira Roque, contadora de histórias e artista plástica; Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva e Michael Kaufman para debater, com a mediação da cineasta Marina Person, os caminhos para a educação e a construção social de novos homens, não violentos.

Na mesa “Resistências poéticas: as artes no enfrentamento da violência contra a mulher”, que também teve mediação de Marina Person, Laís Bodanzky, cineasta e roteirista; Mel Duarte, poeta; Paula Lima, cantora; e Roberta Estrela D’Alva, atriz e slammer conversaram sobre as possibilidades da arte no enfrentamento da violência e como ferramenta de impacto educativa.

PEQUENO AUDITÓRIO

No Pequeno Auditório do Masp, a atividade “Experiências inovadoras no enfrentamento da violência contra a mulher” teve mediação da jornalista Adriana Couto e apresentou novas iniciativas para o enfrentamento à violência, mostrando programas que engajam homens e trazem nova luz para os programas que lutam pela redução da violência. Participaram da atividade Bel Santos, coordenadora do Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário; K.K. Verdade, coordenadora executiva do Fundo Elas; Magno Rodrigues Faria, contador de histórias; Monique Evelle, diretora de Inspiração da Desabafo Social; Sérgio Barbosa, professor da FMU e coordenador do projeto Tempo de Despertar; e Suelaine Carneiro, coordenadora do programa de educação do Geledés Instituto da Mulher Negra.

VÃO DO MASP

No vão do Masp foram oferecidas atividades de sensibilização ao público e aos passantes, provocando o contato com a violência contra a mulher e oferecendo novos olhares.

No Cinema Fale Sem Medo, montado no vão, uma programação de filmes e documentários com a temática de gênero foi oferecida. No programa constavam filmes como: Precisamos falar do assédio, dirigido por Paula Sacchetta; Soul City Series (quarta temporada), dirigido por DumisaniPhakathi; #Meninapodetudo, dirigido pelo coletivo Énois | Inteligência Jovem; e Malala, dirigido por Davis Guggenheim.

Na atividade “Violência contra a mulher: quer que desenhe?”, o vão livre recebeu ilustradoras que registraram relatos de assédio e violência sofridos pelo público. O compartilhamento de experiências é lido como um passo importante na superação da violência. Artistas participantes: Germana Viana, UrsulaDorada, Chairim e Carol Ito.

Representantes da campanha #HeforShe da ONU também estiveram presentes e interagiram com o público.

2015 - 3ª Edição

“Violência contra a mulher no ambiente universitário” Em dezembro, no Espaço Infinitto, uma plateia de 500 pessoas se reuniu para discutir a violência contra a mulher no ambiente universitário.

O evento contou com palestra do educador e ativista norte-americano Jackson Katz, fundador do programa Mentores para Prevenção da Violência (MPV), criado em 1993 nos Estados Unidos para combater a violência de gênero.

Na mesa de debates, a jornalista Astrid Fontenelle mediou conversa sobre a violência universitária, o combate e a responsabilização, a assistência e o acolhimento das vítimas. Participaram da mesa Ana Flávia d'Oliveira, docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo(USP) e uma das organizadoras do Quem cala consente?,rede de apoio a vítimas de violência dentro da instituição; Ana Luiza Cunha, integrante do coletivo feminista Geni, que atua desde 2013 combatendo o machismo na universidade e no campo da saúde; Débora Diniz, antropóloga e pesquisadora do Anis – Instituto de Bioética; e Silvia Chakian de Toledo, promotora de Justiça e coordenadora do Grupo Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Ministério Público de São Paulo (MPSP).

2014 - 2ª Edição

“Violência contra a mulher: o jovem está ligado?”

Em 2014, com o tema “Violência contra a mulher: o jovem está ligado?”, o Fórum discutiu a percepção do jovem sobre a cultura machista e a tolerância à violência contra a mulher.

No painel “Violência doméstica: o jovem está ligado?”, Vera Aldrighi, socióloga; HeloísaBuarque de Almeida, professora do Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP); e Negra Li, cantora falaram, com a mediação de Joana Chagas, representante da ONU Mulheres, sobre a percepção da violência por parte dos jovens e os caminhos para torná-los aliados na luta contra a violência doméstica.

O painel “Namoro, rolinho, ficante: direito ao controle” trouxe as diversas opressões socialmente aceitas que permeiam os relacionamentos dos jovens e debateu como educá-los para uma conduta de respeito às mulheres.

O debate teve a participação de Silvia Chakian, promotora de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) e coordenadora do Gevid – Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica do MPSP; Bárbara Lopes, jornalista da área de juventude da ONG Ação Educativa; e Daniela Rozados, psicóloga e integrante do Grupo PoliGen de Estudos de Gênero da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). A mediação foi de Patrícia Zaidan, editora de comportamento da revista Claudia.

Na última mesa do dia, “Cyber-vingança: violência contra a mulher na rede social”, o foco foi a internet. Nela, os convidados Beatriz Accioly, pesquisadora do Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP) e especialista no tema da violência contra a mulher na web; Mario Higuchi, promotor de Justiça e titular da Coordenadoria Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos do Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG); Marta Rodriguez de Assis Machado, professora da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pesquisadora com ênfase nos temas de responsabilidade e legitimidade democrática, racismo e gênero; eDolores Orosco, editora de comportamento da revista Marie Claire, expuseram as causas da disseminação da cyber vingança como forma de agredir mulheres, as medidas legislativas em adoção para coibir a prática e os danos às vítimas.

2013 - 1ª Edição

“Percepções do homem sobre violência doméstica”

Em 2013, com o tema “Percepções do homem sobre violência doméstica”, o Fórum Fale Sem Medo reuniu pela primeira vez especialistas e autoridades, como a Eleonora Menicucci, ministra da Secretaria de Políticas para Mulheres, e Denise Motta Dau, da Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, para discutir, em dois painéis, os resultados da pesquisa de mesmo título.

Foram parceiros do evento o Instituto Patricia Galvão, o Instituto Noos e o Redeh – Rede de Desenvolvimento Humano.

24

de novembro

às 16h

No YouTube do Instituto AVONSaiba mais

O que é?

O Fórum Fale Sem Medo tem se consolidado, desde a sua primeira edição, em 2013, como um importante espaço de diálogo, articulação e apresentação de experiências inovadoras no campo do enfrentamento das violências contra mulheres e meninas.

Em 2019, atingiu reconhecimento público, passando a fazer parte do calendário oficial de eventos da cidade de São Paulo. Todos os anos, o Fórum Fale Sem Medo conecta o público a importantes nomes de especialistas, pesquisadores, ativistas, representantes da sociedade civil, empresas e setor público, além de formadores de opinião e personalidades brasileiras e internacionais ligados à causa dos direitos da mulher.

Navegue pelo nosso site e conheça a programação completa da 7ª edição do Fórum Fale Sem Medo, cujo tema é a “Transformação em Tempos de Transição: a violência real no mundo digital”.

FÓRUM FALE SEM MEDO 2021 – 7ª Edição

Transformação em Tempos de Transição: a violência real do mundo virtual.

Apesar de fisicamente isolados por conta da pandemia mundial da Covid-19, nunca estivemos tão digitalmente conectados. Há quem afirme que o distanciamento social não foi mais arrebatador porque pudemos manter certa conexão emocional – graças, em parte, à virtualização dos relacionamentos.

Durante a pandemia, nossas relações de trabalho, sociais e afetivas ganharam uma nova dimensão. Mas a intensificação da digitalização também trouxe um aumento das práticas violentas, que também foram adaptadas e viralizadas no ambiente virtual.

Stalkers, assédios, nudes vazadas, ameaças. Você já parou para pensar nos impactos reais causados pelas violências virtuais? A 7ª edição do Fórum Fale Sem Medo te convida, então, a navegar em meio a esses termos para compreender as relações de violência contra mulheres e meninas nos ambientes virtuais e estabelecer transformações em rede.

No evento online, gratuito e aberto ao público, serão apresentados pela primeira vez os dados da pesquisa "Além do Cyberbullying: a violência real do mundo virtual”, realizada pelo Instituto Avon em parceria com a Decode entre 2019 e 2020, e que rastreou mais de 80 milhões de perfis para contextualizar e refletir sobre a violência de gênero na e pela internet.

Além da apresentação inédita da pesquisa, o evento contará com convidados de diversos campos para debaterem, juntos, cenários e saídas para as violências digitais. A norte-americana Erica Olsen-Shaver, diretora do Projeto de Safety Net na NNEDV (National Network to End Domestic Violence), será o grande destaque da programação.

Programação

AÇÕES PARA TRANSFORMAR AS RELAÇÕES

1º Bloco - Reconhecer

Abertura

Pesquisa - Além do cyberbullying: a violência real do mundo virtual

Painel 1 - Os impactos reais das violências virtuais

Com Beatriz Accioly (Instituto Avon), Mariana Valente (InternetLab) e Barbara Paes (Minas Programam).

Música

2º Bloco - Identificar

Vídeo - Falamos sem medo

Painel 2 - Misoginia e tecnologia: intersecções nas redes

Com Regina Célia Barbosa (Instituto Avon), Lola Aronovich (professora, pedagoga, blogueira e ativista) e Joana Varon (Coding Rights).

Música

3º Bloco - Agir

Palestra - Erica Olsen-Shaver: diretora de Projeto de Safety Net na NNEDV (National Network to End Domestic Violence).

Encerramento

Pocket Show

Bárbara Paes

Bárbara Paes é cofundadora do Instituto Minas Programam, mestre em Gênero e Desenvolvimento pela Universidade de Sussex e pesquisa as intersecções entre tecnologia e justiça social.

Beatriz Accioly

Beatriz Accioly Lins é pesquisadora e especialista em violência contra mulheres, direitos humanos e acesso à justiça. Atua também em Direitos Humanos, diversidade e inclusão, bem como em advocacy para políticas públicas e corporativas. É antropóloga, mestra e doutora pela Universidade de São Paulo, além de membro do Núcleo de Estudos Sobre os Marcadores Sociais da Diferença (NUMAS/USP) e do Grupo de Estudos sobre Gênero, Mídias e Desigualdades (GEMID). Autora dos livros "Caiu na net: nudes e exposição de mulheres na internet" e "A lei nas entrelinhas: a Lei Maria da Penha e o trabalho policial", atualmente é coordenadora de Pesquisa e Impacto no Instituto Avon e líder do Pilar Nós de Equidade de Gênero do grupo Natura&CO.

Erica Olsen-Shaver

Erica Olsen-Shaver é diretora do projeto de Safety Net da National Network to End Domestic Violence. O projeto Safety Net concentra-se na interseção de tecnologia e violência contra parceiros íntimos, agressão sexual e stalking, educando os profissionais sobre como sobreviventes e provedores podem abordar questões de segurança e tecnologia. Ela também trabalhou no Homeless Action Committee, como conselheira de serviços às vítimas na Unity House of Troy e na New York State Coalition Against Domestic Violence.

Joana Varon

Diretora Executiva da Coding Rights, organização feminista que se dedica a promover a compreensão sobre o funcionamento das tecnologias, expondo e tentando reparar as assimetrias de poder presentes nos estágios de desenvolvimento, uso ou regulação, especialmente aquelas que reforçam desigualdades de gênero. Fellow de Direitos Humanos e Tecnologia do Carr Center for Human Rights Policy da Harvard Kennedy School. Afiliada ao Berkman Klein Center for Internet and Society da Harvard University. Ex-Mozilla Media Fellow, Joana é idealizadora de vários outros projetos criativos de arte, ativismo e tecnologia, como notmy.ai, transfeministech.org, chupadados.com, #safersisters, Safer Nudes, protestos.org, Net of Rights e Freenet Film.

Lola Aronovich

Lola Aronovich é professora no Departamento de Estudos da Língua Inglesa, suas Literaturas e Tradução (DELILT) da Universidade Federal do Ceará. Fez mestrado e doutorado em Literatura em Língua Inglesa na UFSC e pós-doutorado na Universidade Federal de Alagoas. Desde 2008, é autora do blog Escreva Lola Escreva, um dos maiores blogs feministas do Brasil. A lei 13.642, que atribui à Polícia Federal a investigação de crimes misóginos na internet, leva o nome de Lei Lola em sua homenagem. Foi indicada ao Prêmio Liberdade de Imprensa 2019, do Repórteres sem Fronteiras, na categoria Coragem.

Mariana Valente

Mariana Valente é diretora do InternetLab e professora no Insper. É advogada e doutora em direito pela Universidade de São Paulo e pesquisadora do Núcleo Direito e Democracia do Cebrap. Pesquisa e escreve sobre violência de gênero na internet e desigualdades relacionadas à tecnologia. É coautora do livro "O Corpo é o Código: estratégias jurídicas de enfrentamento ao revenge porn no Brasil”.

Regina Célia Barbosa

Graduada em Filosofia, mestra em Ciência Política pela Universidade Federal de Pernambuco e doutoranda em Direito, Justiça e Cidadania para o Séc. XXI pela Universidade de Coimbra/Portugal e em Educação pela Fundação Universitária Iberoamericana, além de professora universitária há 24 anos. Com ampla experiência nas áreas de Educação, Direitos Humanos, Políticas Públicas, Violência Contra a Mulher e Violência de Gênero, Regina é cofundadora e vice-presidente do Instituto Maria da Penha (IMP), criadora do Programa Defensoras e Defensores dos Direitos à Cidadania, membro representante da Sociedade Civil da Comissão Seccional da Mulher Advogada OAB-PE, integrante da delegação brasileira da Women20 e ganhadora do prêmio Mulheres que Fazem a Diferença 2021. No Instituto Avon, atua como gerente das Causas do Câncer de Mama e do Enfrentamento à Violência contra Mulheres e Meninas.

Transmissão

Acompanhe a transmissão oficial do evento no canal do YouTube do Instituto Avon

YouTube
Imprensa

Weber Shandwick

Comunicação - Instituto Avon

+55 (11) 3027-0200

institutoavon@webershandwick.com

Catarina Marrão

(11) 3027-0313 | (11) 99342-8644

Giulia Leocadio

(11) 3027-0311

Alice Zeitune

(11) 3027-0205 | (11) 94863-4002

Camila de Andrade

(11) 3027-0295 | (11) 98199-0409
  • 2019
  • 2019 - 6ª Edição

    A 6ª edição do Fórum Fale Sem Medo teve como tema as “Histórias para novos contratos: como conversar com alguém que pensa muito diferente de você?”. O evento abordou a importância do diálogo com quem pensa diferente e das narrativas que constroem pontes, fomentam empatia e criam novas histórias para as mulheres e meninas.

    A pesquisa apresentada, como tradicionalmente acontece, foi “Como conversar com alguém que pensa muito diferente de você sobre gênero?”, realizada em parceria entre o Instituto Avon e a Plataforma Papo de Homem. O estudo contou com a participação de 1.300 pessoas de todo o Brasil, cujas respostas ajudaram a entender sentimentos, emoções, obstáculos e benefícios envolvidos no diálogo entre pessoas com visões e opiniões diferentes com relação a gênero, bem como identificar caminhos e oportunidades para a construção de pontes entre elas.

    A CERIMôNIA

    O Fórum Fale Sem Medo 2019 teve como mestre de cerimônia a jornalista Aline Midlej e abertura realizada pela escritora Ryane Leão. O presidente da Avon Brasil à época, José Vicente Marinho, e a diretora executiva do Instituto Avon, Daniela Grelin, estiveram presentes no debate, ao lado de Edson Natale, gerente de música do Itaú Cultural e Tatiana Schibuola, gerente geral de marcas editoriais do UOL.

    A palestra magna foi apresentada pela ex-parlamentar dinamarquesa Özlem Cekic, que abordou o tema: “Café com diálogo: por que eu tomo café com quem me manda mensagem de ódio?”. Ela também participou da 1ª Mesa de Debate “Como conversar com alguém que pensa muito diferente de você?”, com mediação de Antônia Pellegrino, do #AgoraÉQueSãoElas, e participação da empresária e presidente do conselho de administração do Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano.

    A 2ª mesa de debate, “Ações possíveis para novos contratos”, teve a participação de Alessandra Orofino, do #AgoraÉQueSãoElas, do procurador de justiça Ivan Agostinho, de Daniele Bibas, vice-presidente de Marketing da Avon Brasil e do teólogo e conselheiro do CIVI-CO, Ed René Kivits.

    EXPOSIÇÃO: VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA

    A 6ª edição do Fórum Fale Sem Medo também contou com a exposição da premiada campanha “Você não está sozinha”, vencedora do Leão de Bronze, em Cannes, em 2019. A exposição contava sete histórias de violência doméstica sob a perspectiva da única testemunha presente: um objeto daquela casa.

    As histórias foram pautadas pelos cinco tipos de violências caracterizadas pela Lei Maria da Penha: física, sexual, psicológica, moral e patrimonial. Desenvolvidas pelas agências Wunderman Thompsom, Mutato e I-Cherry, as histórias visavam ampliar o debate sobre o enfrentamento às violências contra mulheres e meninas, além de mostrar a importância de apoiar as mulheres a fazerem a denúncia contra seus agressores.

    O Fórum Fale Sem Medo 2019 foi encerrado com um show da rapper paranaense Karol Conká.

  • 2018/2017
  • 2018 / 2017 - 5ª Edição

    "A voz das redes: o que elas podem fazer pelo enfrentamento das violências contra as mulheres"

    Em sua 5ª edição, o evento abordou os diálogos na internet por meio do tema “A voz das redes: o que elas podem fazer pelo enfrentamento das violências contra as mulheres”. Os debatedores trouxeram à luz como o ambiente digital tem ajudado a enfrentar as violências contra as mulheres e possibilitado a criação de ambientes seguros de acolhimento e cuidado, mas, também, como esse mesmo ambiente tem sido responsável por perpetuar muitas das violências sofridas por elas.

    A exemplo do que acontece em todas as edições do Fórum, também em 2018, o debate partiu dos dados de uma pesquisa exclusiva do Instituto Avon sobre o tema. Com o título “A voz das redes: o que elas podem fazer pelo enfrentamento das violências contra as mulheres”, a pesquisa do Instituto Avon, em parceria com a FolksNetnográfica, buscou identificar os desafios e possibilidades das discussões em ambiente digital, bem como apontar caminhos para aumentar o engajamento das pessoas na causa.

    O evento teve como mestre de cerimônia Adriana Couto, presença de paola Oliveira, abertura com Eloisa Arruda, da Secretária de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, participação do canadense Adam Kahane, referência internacional na construção e implementação de soluções para desafios complexos e Nadine Gasman, que apresentou o posicionamento da ONU Mulheres para o dia 8 de março, dando destaque ao trabalho desenvolvido no enfrentamento das violências digitais.

    A 1ª Mesa de Debate teve como tema: “A voz das redes: o que elas podem fazer pelo enfrentamentodas violências contra as mulheres”, como mediadora Mafoane Odara do Instituto Avon e presença de Alessandra Orofino do AgoraÉQueSãoElas, Nadine Gasman da ONU Mulheres, Renato Dolci da FolksNetnográfica e Fernanda Cerávolo do Google.

    A 2ª Mesa de debate, teve como tema: “Como projetar diálogos construtivos”, como mediadora Daniela Grelin do Instituto Avon, Adam Kahane da Reos Partners, Gabriela Manssur do Ministério Público do Estado de São Paulo, Karina Fasson da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal e Nátaly Neri, do canal do YouTube Afros & Afins.

    Tivemos o lançamento da campanha #JuntasporElas e da websérie “Quando existe voz”, com participação de Luiza Brunet e performance da Carol e Vitória Marcilio.

    Representantes da campanha #HeforShe da ONU também estiveram presentes e interagiram com o público.

  • 2016
  • 2016 - 4ª Edição

    “O papel do homem na desconstrução do machismo”

    Em 2016, o Fórum Fale Sem Medo aconteceu em dezembro, no Museu de Arte de São Paulo (Masp), e teve como tema “O papel do homem na desconstrução do machismo”.

    Em uma programação rica, diversa e aberta ao público, o Fórum recebeu uma plateia de 700 pessoas e discutiu a importância da participação dos homens no enfrentamento à violência. Palestrantes e debatedores do Brasil, do Canadá e da África do Sul compartilharam suas experiências e iniciativas de sucesso.

    Confiram as atividades oferecidas:

    AUDITÓRIO PRINCIPAL

    A abertura foi feita por Michael Kaufman, cofundador da Campanha Laço Branco no Canadá, movimento internacional pelo engajamento de homens contra a violência de gênero. Kaufman trouxe sua experiência como pesquisador para falar sobre o papel da paternidade na construção de homens não violentos.

    A programação também contou com LeboRamafoko, CEO do Soul City Institute, ONG sul-africana focada em transformação social e prevenção à violência de gênero. Lebo trouxe os resultados da Soul City Series, série de TV produzida pelo Soul City Institute, cuja quarta temporada abordou violência doméstica e impactou as comunidades em que foi exibida, mobilizando-as para denúncia e envolvendo o poder público na tomada de ação.

    MESAS DE DEBATE

    Nas mesas de debate, diversos ângulos do tema foram discutidos.

    “Eduque sem medo: alternativas para a formação de homens não violentos” contou com a presença de Djamila Ribeiro, pesquisadora na área de Filosofia Política, professora da Fundação Escola de Sociologia de São Paulo (FESPSP) e secretária-adjunta da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo; Jacira Roque, contadora de histórias e artista plástica; Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva e Michael Kaufman para debater, com a mediação da cineasta Marina Person, os caminhos para a educação e a construção social de novos homens, não violentos.

    Na mesa “Resistências poéticas: as artes no enfrentamento da violência contra a mulher”, que também teve mediação de Marina Person, Laís Bodanzky, cineasta e roteirista; Mel Duarte, poeta; Paula Lima, cantora; e Roberta Estrela D’Alva, atriz e slammer conversaram sobre as possibilidades da arte no enfrentamento da violência e como ferramenta de impacto educativa.

    PEQUENO AUDITÓRIO

    No Pequeno Auditório do Masp, a atividade “Experiências inovadoras no enfrentamento da violência contra a mulher” teve mediação da jornalista Adriana Couto e apresentou novas iniciativas para o enfrentamento à violência, mostrando programas que engajam homens e trazem nova luz para os programas que lutam pela redução da violência. Participaram da atividade Bel Santos, coordenadora do Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário; K.K. Verdade, coordenadora executiva do Fundo Elas; Magno Rodrigues Faria, contador de histórias; Monique Evelle, diretora de Inspiração da Desabafo Social; Sérgio Barbosa, professor da FMU e coordenador do projeto Tempo de Despertar; e Suelaine Carneiro, coordenadora do programa de educação do Geledés Instituto da Mulher Negra.

    VÃO DO MASP

    No vão do Masp foram oferecidas atividades de sensibilização ao público e aos passantes, provocando o contato com a violência contra a mulher e oferecendo novos olhares.

    No Cinema Fale Sem Medo, montado no vão, uma programação de filmes e documentários com a temática de gênero foi oferecida. No programa constavam filmes como: Precisamos falar do assédio, dirigido por Paula Sacchetta; Soul City Series (quarta temporada), dirigido por DumisaniPhakathi; #Meninapodetudo, dirigido pelo coletivo Énois | Inteligência Jovem; e Malala, dirigido por Davis Guggenheim.

    Na atividade “Violência contra a mulher: quer que desenhe?”, o vão livre recebeu ilustradoras que registraram relatos de assédio e violência sofridos pelo público. O compartilhamento de experiências é lido como um passo importante na superação da violência. Artistas participantes: Germana Viana, UrsulaDorada, Chairim e Carol Ito.

    Representantes da campanha #HeforShe da ONU também estiveram presentes e interagiram com o público.

  • 2015
  • 2015 - 3ª Edição

    “Violência contra a mulher no ambiente universitário” Em dezembro, no Espaço Infinitto, uma plateia de 500 pessoas se reuniu para discutir a violência contra a mulher no ambiente universitário.

    O evento contou com palestra do educador e ativista norte-americano Jackson Katz, fundador do programa Mentores para Prevenção da Violência (MPV), criado em 1993 nos Estados Unidos para combater a violência de gênero.

    Na mesa de debates, a jornalista Astrid Fontenelle mediou conversa sobre a violência universitária, o combate e a responsabilização, a assistência e o acolhimento das vítimas. Participaram da mesa Ana Flávia d'Oliveira, docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo(USP) e uma das organizadoras do Quem cala consente?,rede de apoio a vítimas de violência dentro da instituição; Ana Luiza Cunha, integrante do coletivo feminista Geni, que atua desde 2013 combatendo o machismo na universidade e no campo da saúde; Débora Diniz, antropóloga e pesquisadora do Anis – Instituto de Bioética; e Silvia Chakian de Toledo, promotora de Justiça e coordenadora do Grupo Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Ministério Público de São Paulo (MPSP).

  • 2014
  • 2014 - 2ª Edição

    “Violência contra a mulher: o jovem está ligado?”

    Em 2014, com o tema “Violência contra a mulher: o jovem está ligado?”, o Fórum discutiu a percepção do jovem sobre a cultura machista e a tolerância à violência contra a mulher.

    No painel “Violência doméstica: o jovem está ligado?”, Vera Aldrighi, socióloga; HeloísaBuarque de Almeida, professora do Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP); e Negra Li, cantora falaram, com a mediação de Joana Chagas, representante da ONU Mulheres, sobre a percepção da violência por parte dos jovens e os caminhos para torná-los aliados na luta contra a violência doméstica.

    O painel “Namoro, rolinho, ficante: direito ao controle” trouxe as diversas opressões socialmente aceitas que permeiam os relacionamentos dos jovens e debateu como educá-los para uma conduta de respeito às mulheres.

    O debate teve a participação de Silvia Chakian, promotora de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) e coordenadora do Gevid – Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica do MPSP; Bárbara Lopes, jornalista da área de juventude da ONG Ação Educativa; e Daniela Rozados, psicóloga e integrante do Grupo PoliGen de Estudos de Gênero da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). A mediação foi de Patrícia Zaidan, editora de comportamento da revista Claudia.

    Na última mesa do dia, “Cyber-vingança: violência contra a mulher na rede social”, o foco foi a internet. Nela, os convidados Beatriz Accioly, pesquisadora do Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP) e especialista no tema da violência contra a mulher na web; Mario Higuchi, promotor de Justiça e titular da Coordenadoria Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos do Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG); Marta Rodriguez de Assis Machado, professora da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pesquisadora com ênfase nos temas de responsabilidade e legitimidade democrática, racismo e gênero; eDolores Orosco, editora de comportamento da revista Marie Claire, expuseram as causas da disseminação da cyber vingança como forma de agredir mulheres, as medidas legislativas em adoção para coibir a prática e os danos às vítimas.

  • 2013
  • 2013 - 1ª Edição

    “Percepções do homem sobre violência doméstica”

    Em 2013, com o tema “Percepções do homem sobre violência doméstica”, o Fórum Fale Sem Medo reuniu pela primeira vez especialistas e autoridades, como a Eleonora Menicucci, ministra da Secretaria de Políticas para Mulheres, e Denise Motta Dau, da Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, para discutir, em dois painéis, os resultados da pesquisa de mesmo título.

    Foram parceiros do evento o Instituto Patricia Galvão, o Instituto Noos e o Redeh – Rede de Desenvolvimento Humano.